terça-feira, 10 de março de 2015

Messed Up

Nunca consigo escrever se não estiver usando a fonte “Times New Roman”, tamanho 12. Provavelmente isso está relacionado ao fato de que eu utilizava essa formatação quando era criança. Naquela época era mais fácil, as histórias fluíam como as águas de um rio, ininterruptas, entretanto vagas. Hoje em dia fazer um texto se tornou algo complicado, mas não por não ter criatividade - minha imaginação trabalha sem parar e admito que o mundo criado pela minha mente é muito interessante - e sim por achar que nada é bom o suficiente. Talvez seja esse o ponto que meu amigo e também mestre tentou fazer que eu enxergasse em muitas de nossas conversas. Isso é falta de autoconfiança, fato, mas eu gostaria de saber de onde surgiu esse meu problema - talvez de todas as vezes que meu pai me chamou de burro quando eu fazia algo errado - e como resolvê-lo.

Eu posso fazer uma separação de parágrafos apenas para tentar esclarecer o que eu quis dizer? Espero que sim. Percebi essa semana que eu não “boto fé” nas coisas que eu faço e isso acaba resultado em uma procrastinação. Sempre que preciso enviar um documento eu fico inseguro e me pergunto se aquilo está bom o suficiente para seja quem lá vai receber. Agora mesmo eu estou me perguntando se esse texto merece ser mostrado para alguém, porque no fundo eu sinto que tá uma grande merda. Mas isso não importa, não vou nem reler o que já foi escrito porque a função desse texto é apenas esvaziar minha mente. Essa é a única maneira que eu tenho de fazer isso.

Agora eu já acho que perdi o foco. Não sei qual era o meu ponto quando comecei isso aqui e tenho certeza que os meus pensamentos de agora não condizem com os que se passavam em minha cabeça no início do texto. Estou tentando me forçar a lembrar aonde eu queria chegar com tudo isso, mas parece que tal ato me deixa nervoso e me faz querer chorar. 

Enfim, isso vai ser postado em um blog, por quê? Porque eu quero. Mentira, porque toda vez eu vou abrir e começar a escrever as coisas que penso. Não sei se faz sentido, mas quem sabe se eu “ler meus pensamentos” eu não começo a me entender mais? Espero que isso dê certo e que eu não abandone tudo na metade do caminho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário